• Centro de Pesquisa do Pantanal
  • UFMT
Laboratórios
Acesso restrito
Login: Senha:
Voltar
Projeto 3.11 - Dinâmica e efeito do fogo em Áreas de mata ciliar do rio Paraguai, Pantanal
 O presente projeto tem o objetivo de verificar como varia a estrutura da vegetação lenhosa de mata ciliar do rio Paraguai em anos secos com e sem a presença do fogo em distintos habitats no gradiente de inundação. Verificar adaptações na germinação, na morfologia e na anatomia das espécies vegetais lenhosas aos eventos de fogo e inundação.

- Diversos:
 Fogo é um fator natural e antropogênico nas savanas alagáveis. As áreas florestais, sejam elas inundáveis ou não, são bastante sensíveis ao fogo. Na legislação brasileira é (leis Nº 4.771/65 e 9.605/98) proibido o uso de fogo em áreas florestais, sendo considerado crime. Além disso, as áreas ripárias são consideradas de preservação permanente, sendo vedada a sua descaracterização (lei Nº 4.771/65). A vegetação lenhosa das formações florestais ripárias do Pantanal está sujeita a fatores de impacto naturais como as grandes cheias que provocam maior mortalidade nas espécies menos tolerantes a inundação (Damasceno-Junior et  al. 2004) e a fenômenos antrópicos como os grandes incêndios relacionados aos anos mais secos. Tais eventos (seca e fogo) ainda não têm o seu impacto mensurado. Nos últimos nove anos as cheias do rio Paraguai foram de moderadas a baixas, em relação às médias do período de 1974 a 2000. Eventos de incêndio envolvendo as matas ciliares do rio Paraguai têm sido freqüentes. Esses eventos configuram um impacto visual expressivo na região, com muitas árvores mortas. Estudos para analisar os impactos do fogo nos diferentes tipos de florestas alagáveis e elaborar métodos para protegê-las, são necessários. Ao longo do gradiente de inundação a composição florística das florestas varia de acordo com a tolerância a inundação e aos períodos de seca (Damasceno-Junior et al. 2005; Nunes-da Cunha et al.2007).  Dessa forma seria esperado que as espécies localizadas nas partes mais altas e não inundáveis do gradiente seriam mais tolerantes a seca e ao fogo e aquelas localizadas nas partes mais baixas do gradiente seriam pouco ou não tolerantes ao fogo. É de se esperar ainda, que exista um terceiro grupo um terceiro grupo de espécies, com ampla faixa de tolerância, que se aproveitam de ambas as fases.
Coordenador:
Dr. Geraldo Alves Damasceno Junior - UFMS (Tel.: +55 67 3345 7761) (Email: geraldodamasceno@gmail.com) (visualizar currículo)
Equipe Científica:
Dr. Arnildo Pott - UFMS (visualizar currículo)
Dr. Edna Scremin-Dias
Dr. Gisaine de Andrade Amador
Dr. Ieda Maria Bortolotto
Dr. Iria Hiromi Ishii
Dr. Liana Baptista de Lima
Dr. Rosani do Carmo Arruda
Doutorando (a) Darlene Gris
MSc. Rosa Helena da Silva
MSc. Vali Joana Pott
Mestrando (a) Damião Teixeira de Azevedo
Mestrando (a) Laise Cristina Souza Magalhães
Mestrando (a) Maiby Teodoro de Oliveira
Mestrando (a) Maira da Rocha
Mestrando (a) Rodrigo Cyrino Rivaben
Mestrando (a) Wellinton de Sa Arruda

Eventos
- 49th Annuaç meeting of the Association for Tropical Biology and Conservation (ATBC) (2012)
Tipo de Apresentação: Apresentação Oral
Classificação: Internacional
Apresentação: Floristic and structural aspects of seasonally flooded forests in the Pantanal and relations with flood pulse and fire.
- 49th Annual meeting of Association for Tropical Biology and Conservation (ATBC) (2012)
Tipo de Apresentação: Apresentação Oral
Classificação: Internacional
Apresentação: . Cattle impacts on forest understory plant communities of the Pantanal.
- 49th Annual meeting of the Association for Tropical Biology and Conservation (2012)
Tipo de Apresentação: Apresentação Oral
Classificação: Internacional
Apresentação: . Structure of two monodominant communities and association with soil and flooding in the Pantanal, Brazil.
- XI Congresso de Ecologia do Brasil, (2013)
Tipo de Apresentação: Apresentação Oral
Classificação: Nacional
Apresentação: EFEITO IMEDIATO DO FOGO NO BANCO DE SEMENTES EM FLORESTAS ALAGÁVEIS
- II Congresso Brasileiro de àreas úmidas (2014)
Tipo de Apresentação: Banner
Classificação: Internacional
Apresentação: Relação do fogo com as síndromes de dispersão de espécies arbóreas em capões no Pantanal do Abobral
Instituições
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Publicações
Artigos Completo publicados em Periódicos
2011. ADEMIR KLEBER MORBECK DE OLIVEIRA, JOÃO DOS SANTOS VILA DA SILVA, ARNILDO POTT, GERALDO ALVES DAMASCENO JUNIOR. Plant diversity of the Pantanal wetland. Brazilian Journal of Biology, v. 71 p. 265-273.
2011. BERTAZZONI, E.C., DAMASCENO-JUNIOR, G.A.. Aspectos da biologia e fenologia de Oryza latifolia Desv.(Poaceae) no Pantanal sul-mato-grossense. Acta Botanica Brasilica      , v. 2 p. 476-486.
2011. NEVES, D.R.M., DAMASCENO-JUNIOR, G.A..   Post-fire phenology in a campo sujo vegetation in the Urucum plateau, Mato Grosso do Sul, Brazil.   Braz. J. Biol , v. 4 p. 1-8. (Prelo)
2010. LIMA, M.S., DAMASCENO-JUNIOR, G.A., TANAKA, M.O..  Aspectos estruturais da comunidade arbórea em remanescentes de floresta estacional decidual, em Corumbá, MS, Brasil. Revista brasileira de botanica, v. 33 p. 437-453.
2009. BAPTISTA-MARIA, V.R., RODRIGUES, R.R., DAMASCENO-JUNIOR, G.A., MARIA, F.S., SOUZA, V.C.. Composição florística de florestas estacionais ribeirinhas no estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 23 p. 535-548.
2009. DAMASCENO-JUNIOR, G.A., POTT, A., POTT, V.J., SILVA, J.S.V.. Florestas estacionais no Pantanal: considerações florísticas e subsídios para conservação. Geografia, v. 34 p. 697-707.
2009. RODRIGUEZ, D.P., BARROS, F., DAMASCENO-JUNIOR, G.A., BORTOLOTTO, I.M..  Levantamento da família Orchidaceae no Morro Santa Cruz, Municípios de Corumbá e Ladário, Mato Grosso do Sul, Brasil.  Hoehnea, v. 36 p. 613-636.
2012. CUNHA, N.L., DELATORRE, M., RODRIGUES, R.B., VIDOTTO, C, GONÇALVES, F., DIAS, E.S., DAMASCENO-JUNIOR, G.A., POTT, A., POTT, V.J.. Structure of aquatic vegetation of a large lake, western border of Brazilian Pantanal. Brazilian journal of biology.
2012. LEHN, C. R., BUENO, M. L., KUFNER, D. C. L., SCREMIN-DIAS, E., POTT, V.J., DAMASCENO-JUNIOR, G. A.. Fitossociologia de Macrófitas Aquáticas associadas ao Rio Miranda, Pantanal, MS, Brasil. Revista de Biologia Neotropical, v. 8 p. 23-31.
2012. MAGALHÃES, L.C.S., FARIA, R. R., DAMASCENO-JUNIOR, G. A.. Estrutura diamétrica de Dipteryx alata vog. em áreas com diferentes níveis de extração de frutos e antropização. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 7 p. 135-142.
2012. CATIAN, G. , LEME, F.M. , GONZAGA, A. F. N., CARVALHO, F.S., GALLETTI, V. S., POTT, A., POTT, V.J., DIAS, E. S., DAMASCENO-JUNIOR, G. A.. Macrophyte structure in lotic-lentic habitats from Brazilian Pantanal. Oecologia Australis, v. 16 p. 782-796.
2012. AMADOR, G.A., SARTORI, A. L. B., DAMASCENO-JUNIOR, G. A., CASAGRANDE, J.C.. Structure of two communities dominated by Copernicia alba and associations with soil and inundation in Pantanal wetland, Brazil. Oecologia Australis, v. 16 p. 846-858.
2012. CUNHA, N.L., DELATORRE, M., RODRIGUES, R.B., VIDOTTO, C., GONÇALVES, F., DIAS, E. S., DAMASCENO-JUNIOR, G. A., POTT, V.J., POTT, A.. Structure of aquatic vegetation of a large lake, western border of the Brazilian Pantanal. Brazilian Journal of Biology (Impresso), v. 72 p. 519-531.
2013. AMADOR, G.A., DAMASCENO-JUNIOR, G. A., SILVA, R. H., POTT, A., POTT, V.J.. Nymphaeaceae, Nymphaea belophylla Trickett: New state record. Check List (São Paulo. Online), v. 9 p. 440-442.
2015. ROCHA, M., SANTOS-JUNIOR, C. C., DAMASCENO-JUNIOR, G. A., POTT, V.J., POTT, A.. Effect of fire on a monodominant floating mat of Cyperus giganteus Vahl in a neotropical wetland. Brazilian Journal of Biology, v. 75 p. 114-124.
2014. BUENO, M. L., DAMASCENO-JUNIOR, G. A., POTT, A, PONTARA, V., SELEME, E.P., FAVA, W.S., SALOMÃO, A.K.D..  Structure of arboreal and herbaceous strata in a tropical floodable Tabebuia aurea monodominant savanna.  Brazilian Journal of Biology, v. 74 p. 325-337.
2015. SÓRIO, V., DAMASCENO-JUNIOR, G. A., PAROLIN P.. Dispersal of palm seeds (Bactris glaucescens Drude) by the fish Piaractus mesopotamicus in the Brazilian Pantanal.  Ecotropica, v. 20 p. 75-82.
2014. POTT, A., DAMASCENO-JUNIOR, G. A., SILVA, J.S.V..  Características da Bacia Hidrográfica do Rio Miranda. Revista GeoPantanal, v. 16 p. 125-140.
2014. OLIVEIRA, M.T., DAMASCENO-JUNIOR, G. A., POTT, A., PARANHOS FILHO, A.C., SÚAREZ, Y. R., PAROLIN P.. Regeneration of riparian forests of the Brazilian Pantanal under flood and fire influence. .  Forest Ecology and Management, v. 331 p. 256-263.
Capítulo de Livro
2011. DAMASCENO-JUNIOR, G.A., POTT, A.. Métodos de amostragem em estudos fitossociológicos sugeridos para o Pantanal. Fitossociologia no Brasil: Métodos e estudos de caso.. Viçosa: UFV. p. 295-323.
2011. BATTILANI, JOANICE L., FERREIRA, C.M., PENATTI, N.C., VIDOTTO, C, DAMASCENO-JUNIOR, G.A., POTT, A.. Análise comparativa da estrutura de dois capões de floresta estacional semidecidua na sub-região do Pantanal de Miranda, MS, Brasil, com diferentes métodos de amostragem. Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de caso.. Viçosa: UFV. p. 520-536.
2011. BUENO, B., GALLETTI, V.S., VICENTIN, W., DAMASCENO-JUNIOR, G.A., POTT, A.. Comparação de dois métodos fitossociológicos aplicados à mata ciliar do rio Miranda, Pantanal do Miranda, Corumbá, MS, Brasil. Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de caso.. Viçosa: UFV. p. 537-556.


 
 
Rua Dois, 497 - Boa Esperança - 78068-360
Cuiabá - Mato Grosso - Brasil
Tel.: (65) 3664 1121 - inau@cppantanal.org.br